Tag Archives: steven spielberg

Scrat criou o mundo!

Isso mesmo. Veja só:

Eu sempre digo que Shrek é aquela piada que só funciona se contada uma vez. Fizeram quatro filmes e o último foi grande em bilheteria, mas um fiasco em roteiro. O ogro já vinha perdendo o fôlego desde o segundo, na real.

A Era do Gelo foi uma das melhores surpresas no cinema de animação em CG, com uma proposta diferente da mestre Pixar e da então discípula DreamWorks, mas sempre demonstrou uma premissa limitada: a própria era do gelo.
Apresentaram o universo no primeiro, o fim da era glacial no segundo, e uma homenagem ao mundo perdido (ou ao vale encantado) spielberguiano no terceiro, sempre com ótimas sacadas e piadas imortais, mantendo a essência ACME de se fazer humor.

Dias atrás, nessa mini-crítica, comentei que um quarto filme da franquia seria desnecessário, senão um tiro no pé, quase suicídio. Mas eis que a Fox e a Blue Sky Studios anunciam “Ice Age: Continental Drift”, que vai se focar na separação da pangeia. Como isso vai render um bom roteiro eu não sei, mas torço pelo sucesso, pois tenho simpatia pela série; ainda que com um pé atrás. Teremos a filhote de Manny e Ellie, Amora, acompanhando a turma, que cresceu ainda mais em Dawn of the Dinosaurs e, muito provavelmente, o retorno triunfal do personagem mais legal da era glacial, Buck, a doninha hard à lá Rambo, ‘pilotando’ o spinosaurus Rudy.

Só em especulação, creio que Carlos Saldanha não vá arriscar um armagedom parte 2 nesse quarto filme, pois algo do tipo já foi explorado no segundo. Então teremos o quê? A evolução dos mamíferos? Descobriremos em 13 de julho de 2012, propositalmente no ano apocalíptico.

No curta acima, “Scrat’s Continental Crack-Up”, o esquilinho mais obcecado de todos os tempos é o responsável pela separação continental, do mapa-múndi e praticamente ‘criador’ das maravilhas da Terra. Esse sim é impagável.

E onde os estúdios deveriam parar.

Anúncios

Bilu que se cuide!

É, Bilu que se cuide. Super 8 vem aí.

A trama é mantida sob sigilo, mas sabe-se que se passa em 1979 em uma cidade industrial e acompanha um grupo de garotos da faixa dos 14 anos que filmam com uma câmera Super-8 algo inacreditável, saído de um acidente ferroviário. A ideia é homenagear os filmes da produtora Amblin de Steven Spielberg, como Contatos Imediatos de Terceiro Grau e E.T. O orçamento deve girar em torno de US$ 50 milhões e as filmagens começam em breve em Weirton, West Virginia. Spielberg produz para a Paramount, e estreia é prevista para julho de 2011, com Ron Eldard, Noah Emmerich, Joel Courtney, Riley Griffiths, Ryan Lee, Zach Mills, Gabriel Basso, Kyle Chandler e Elle Fanning. Será dirigido pelo ótimo J. J. Abrams.

A imagem acima é um viral, mas dizia-se que ela havia sido tirada por um caçador em uma reserva florestal perto de Morgan City, no estado americano da Louisianna; esse vídeo também faz parte da campanha de divulgação do filme. Deve seguir a escola Bruxa de Blair, bem seguida por Cloverfield. Veremos.

[você conhece? Viral: Marketing viral ou publicidade viral referem-se a técnicas de marketing que tentam explorar redes sociais pré-existentes para produzir aumentos exponenciais em conhecimento de marca, com processos similares à extensão de uma epidemia. A definição de marketing viral foi cunhada originalmente para descrever a prática de vários serviços livres de email de adicionar publicidade às mensagens que saem de seus usuários. O que se assume é que se tal anúncio ao alcançar um usuário “susceptível”, esse usuário será “infectado” e reenviará o email a outras pessoas susceptíveis, “infectando-as” também. Enquanto cada usuário infectado envia um email a mais do que um usuário susceptível, em média (ou seja, a taxa reprodutiva básica é maior do que um), os resultados padrão em epidemiologia implicam que o número de usuários infectados crescerá segundo uma curva logística, cujo segmento inicial é exponencial.De forma mais geral, o marketing viral se utiliza às vezes para descrever alguns tipos de campanhas de marketing baseadas na internet, incluindo o uso de blogs, de sites aparentemente amadores, e de outras formas de astroturfing para criar o rumor de um novo produto ou serviço. O termo “publicidade viral” se refere à idéia de que as pessoas passarão e compartilharão conteúdos divertidos. Esta técnica muitas vezes está patrocinada por uma marca, que busca construir conhecimento de um produto ou serviço. Os anúncios virais tomam muitas vezes a forma de divertidos videoclipes ou jogos Flash interativos, imagens e inclusive textos.]

Luta de Robôs: Hollywood X Japão

Há dias foi liberado o trailer de Real Steel, que é baseado em um conto de Richard Matheson, com roteiro de John Gatins. A história se passa num futuro próximo, quando o boxe humano foi proibido e robôs humanóides peso-pesados assumem o espetáculo. Neste contexto estão um pai e seu filho adolescente que treinam para serem campeões. Hugh Jackman assume o papel do pai, um ex-lutador que só consegue acesso a peças de baixa qualidade para robôs, o que prejudica suas chances – até que ele descobre um robô descartado que vence sempre. Dakota Goyo vive seu filho. Anthony Mackie, Evangeline Lily e Kevin Durand também estão no elenco.

O projeto está em desenvolvimento na DreamWorks e tem orçamento de 80 milhões de dólares, com produção-executiva de Steven Spielberg, Robert Zemeckis, Steve Starkey e Jack Rapke, da ImageMovers. A estreia acontece em novembro de 2011.

Essa mistura louca de Transformers com Ali pode dar certo. Entretenimento eterno da Sessão da Tarde caso siga um viés mais juvenil, ou garantia de um InterCine se for pelo caminho descolado, tal qual Eu, Robô.

Deixando essa comparação inútil de lado, Real Steel me lembrou O Barão Vermelho (The Red Baron), um anime meia-boca que passava na saudosa e ótima Locomotion (canal que depois virou argh Animax), no final da década de 90, que lidava também com batalhas entre robôs, tinha uma dublagem péssima, mas divertia o suficiente entre uma sessão de Evangelion e outra de The Maxx.

A abertura do anime:

Legal como uma coisa leva a outra, mesmo em mídias distintas, de épocas tão distantes. Quando sair o filme vou comparar com o desenho, só de farra.

[você conhece? Leis da Robótica: As Três Leis da Robótica são leis que foram elaboradas pelo escritor Isaac Asimov em seu livro de ficção I, Robot (“Eu, Robô”) que dirigem o comportamento dos robôs. São elas: 1ª lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal. 2ª lei: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei. 3ª lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Leis.O objetivo das leis, segundo o próprio Asimov, era tornar possível a existência de robos inteligentes (as leis pressupõem inteligência suficiente para distinguir o bem do mal) e que não se revoltassem contra o domínio humano. Adicionalmente, ainda segundo o próprio Asimov, as leis lhe deram o mote para um número grande de histórias, baseadas em diferentes interpretações das leis.]